ENSAIOS PRÉ-SELECIONADOS PEF/2016

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Árvore-da-vida.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Árvore de um Sonho Lúcido.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Árvore de um Sonho Lúcido#4.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Árvore de um Sonho Lúcido#5.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Iemanjá.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Lagoa das Fadas.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Memórias de um tempo Antigo.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Prisma sobre o vale da Lua.

press to zoom

Vitor Schietti, Esculturas Impermanentes. Queda de fogo.

press to zoom

Vitor Schietti Esculturas Impermanentes. Vida Anciã.

press to zoom

VITOR SCHIETTE

Desenhar ou pintar com a luz, uma técnica quase tão antiga quanto o surgimento da própria fotografia. Como o próprio nome do meio deixa claro, imagens fotográficas surgem a partir do grafismo de fótons cujo movimento, qualidade, direção e cor são capturados por uma superfície sensível à luz. Assim também procede com a “pintura de luz” ou light painting, técnica que sempre provocou encanto e mistério, especialmente sobre aqueles que não são familiarizados com a mesma. Após muitos anos aprimorando-me em técnicas de longa exposição comecei a experimentar mais no campo do Light Painting em 2015. A luz torna-se pincel, o espaço ao meu redor é a tela, ou papel sobre o qual escrevo perguntas e esboço respostas, ensaio pensamentos, revelo ou escondo mistérios. O tempo, neste processo, é o grande aliado que determina a distância capaz de percorrer o pensamento. Na série fotográfica aqui proposta utilizo fontes luminosas de pirotecnia e disparos de flash em balanço com a luz ambiente e mesmo com faróis de carros e luzes urbanas. Navego entre uma e outra fonte como o pintor que escolhe entre diferentes pincéis. As imagens criadas, mais próximas do abstracionismo do que do figurativismo, evocam símbolos elementares, como o triângulo, o círculo, ou contornos do cenário que as abriga. Ensaiam com os princípios dos mitos da humanidade, propõem ideias e conceitos relacionados ao gênese, à natureza e à relação do homem com o meio ambiente. O resultado desse processo é a composição do que chamo Esculturas Impermanentes. São formas compostas de luz, que jamais serão encontradas no mundo físico, e que nunca existiram de fato senão através do registro fotográfico de longa exposição. São não mais que uma ilusão, uma memória imaginada, o resultado de uma ação performática, um pensamento tangibilizado, imaginado por uma mente humana e testemunhado apenas por um olho mecânico, o da câmera fotográfica.