Dando sequência à sua tradição de apresentar o trabalho e as ações de grandes fotógrafos, ativistas e pensadores da imagem,

o 12º Paraty em Foco promove uma série de encontros e entrevistas abertos ao público. Confira em detalhes a programação que vai ser realizada no auditório da Casa da Cultura. A entrada é gratuita e condicionada ao número de vagas disponíveis. As apresentações serão retransmitidas em outros pontos do centro histórico e via streaming para todo o mundo. Principal atividade do festival, ela se insere na missão de democratizar o acesso à cultura fotográfica e fomentar o encontro entre os profissionais da fotografia e os interessados em geral.

RETRATO EM DOSE DUPLA

ANTONIO GUERREIRO E LUIZ GARRIDO 

POR MILTON GURAN

Dois monstros do retrato e da fotografia de glamour, dois “ícones da carioquice”, segundo as palavras de Joaquim Ferreira dos Santos, eles registraram grande parte da nata artística brasileira nas três últimas décadas do século 20. Antonio Guerreiro e Luiz Garrido estarão lado a lado no palco de Paraty para contar um pouco de suas trajetórias e das histórias por trás de fotos emblemáticas de mulheres deslumbrantes, como Luiza Brunet, Sônia Braga ou Sandra Bréa. Despidos de nostalgia, eles representam uma era em que o retoque digital não era a principal estrela dos editoriais de moda e sensualidade, um tempo em que o charme surgia da naturalidade.

ANTONIO

GUERREIRO

MILTON

GURAN

14 de setembro (quarta-feira) às 19h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

AVES DE PARATY– FOTOGRAFIA E PRESERVAÇÃO

JOÃO MARCOS ROSA DEBATE COM DANIEL CYWINSKI, GUTO CARVALHO E JOÃO QUENTAL

O fotógrafo de natureza João Marcos Rosa, colaborador da National Geographic do Brasil, vai debater com os criadores do projeto “Aves de Paraty”, uma iniciativa da Associação Cairuçu. Como esse projeto, o grupo pretende inserir Paraty no roteiro da observação de aves no Brasil. Essa modalidade de turismo envolve olhar, registrar e fotografar aves. Para além de tudo isso, está a preservação. Daniel Cywinski apresenta o projeto ao lado de Guto Carvalho, um pensador do tema, e João Quental, uma das maiores referências em fotografia de aves no Brasil.

15 de setembro (quinta-feira) às 10h30

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

UM NOME E SEUS HETERÔNIMOS 

ORLANDO AZEVEDO

POR MILTON GURAN 

Fotógrafo múltiplo e incansável, Orlando Azevedo apresenta sua produção obsessiva e quase diária. Sua obra é marcada pela diversidade e a busca de uma verdade profunda, para além da superfície sensível da película fotográfica. Por uma questão de princípios, ele não manipula nem corta suas imagens. Orlando Azevedo também é Jacob Bensabat e Yury Andropov, os heterônimos que encarna e com os quais aborda as ruínas e a arqueologia da morte cósmica. Avesso aos excessos do discurso, a fotografia corre nas suas veias, é feita para valer, atestado de seu estado de saber e de seus interesses. Dedicado ao épico projeto de construção de um mestiço-retrato do Brasil, ele não hesita em afirmar: “não construo, mas desconstruo”.

MILTON

GURAN

15 de setembro (quinta-feira) às 15h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

OLHARES DO CANTEIRO

ARTHUR PUGLIESE E JOÃO MACHADO 

POR ÉRICO ELIAS

A fotografia como obra e construção. Arthur Pugliese vai representar o Coletivo Mestres da Obra que, entre outras ações, implementa Ateliês Experimentais de Arte e Fotografia dentro de canteiros de obras. Fará uma reflexão sobre uso da imagem como instrumento que reforça o pertencimento local e qualidade de vida no cotidiano de trabalho de operários da construção civil. São inúmeras as imagens feitas pelos trabalhadores, revelando um universo desconhecido e fascinante. João Machado, que foi pedreiro, vai apresentar sua obra fotográfica, edifício construído por um autodidata, composto de registros poéticos acerca do sertão, a cultura popular e suas celebrações.

ÉRICO ELIAS

15 de setembro (quinta-feira) às 17h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

CONTATOS IMEDIATOS COM O DOCUMENTAL 

DARIO DE DOMINICIS  

POR PEDRO VASQUEZ

Residindo no Rio de Janeiro desde 2009, o fotógrafo italiano Dario de Dominicis se dedica a projetos documentais. Seus ensaios têm íntima relação com questões sociais e a cultura popular. Com o público de Paraty, ele pretende compartilhar algumas experiências recentes, da festa de São Francisco em Canindé, no Ceará, até relatos e retratos acerca do estado de abandono e degradação dos pescadores artesanais na Baía de Guanabara. Vai tratar da importância das folhas de contatos na fotografia, esse elemento aparentemente fora de moda na era digital, que demonstra ser ainda uma ferramenta extremamente atual e até fundamental no processo criativo do fotógrafo. Sua abordagem se estende à reflexão sobre o conceito de contemporâneo na fotografia jornalística e documental.

15 de setembro (quinta-feira) às 19h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

AVENTURA SEM FIM:

A FOTOGRAFIA NA HISTÓRIA DAS EXPEDIÇÕES

PALESTRA DE AMYR E MARINA KLINK

ilustrada por inúmeras fotos e histórias. Amyr Klink é reconhecido pelas expedições sem precedentes que realiza por todos os oceanos da Terra, a bordo de barcos que ele mesmo constrói. Ele se tornou um exemplo de determinação e foco, e conquista plateias há mais de 30 anos. Marina Klink é fotógrafa ambiental e a mais frequente tripulante das expedições de Amyr Klink. Apresenta fotografias inéditas e relata o que a motiva a se arriscar na captura de imagens singulares. De maneira criativa, sugere novas perspectivas de se ver a vida e revela a fórmula que encontrou para multiplicar suas experiências incomuns.

16 de setembro (sexta-feira) às 10h30

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

DE DOM PEDRO A DOM JOÃO:

A FAMÍLIA IMPERIAL BRASILEIRA E A FOTOGRAFIA  

DOM JOÃO DE ORLEANS E BRAGANÇA

POR PEDRO KARP VASQUEZ 

A fotografia se desenvolveu rapidamente no Brasil oitocentista graças a um visionário: Dom Pedro II. Colecionador, fotógrafo amador, criador da comenda de Fotógrafo da Casa Imperial, o imperador foi um grande mecenas da atividade fotográfica em um país que ocupava a periferia da ordem mundial. De Dom Pedro para cá muita coisa mudou. Eis que um descendente do imperador se apaixona pela fotografia e com ela parte em busca das origens e raízes próprias. Dom João de Orleans e Bragança, o “príncipe fotógrafo”, ilustre morador de Paraty, vai apresentar imagens de família e fotografias de sua própria produção. Pedro Vasquez vai ajudá-lo na travessia, traçando ao longo da entrevista as relações entre a família imperial brasileira e a fotografia, de Dom Pedro a Dom João.

16 de setembro (sexta-feira) às 15h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

A QUÍMICA DA PAIXÃO 

EUSTÁQUIO NEVES POR JOAQUIM PAIVA  

A fotografia como alquimia, como descoberta, trabalho de manipulação da memória em sucessivas camadas. Eustáquio Neves não atua como um fotógrafo convencional. Sua arte nasce sobretudo da pós-produção, da mescla de muitas fotografias em imagens únicas, expressivas e carregadas de significação. Com uma boa dose de autobiografia e crítica social, seus ensaios transitam de experiências em laboratório até experimentos com vídeo. Para Paraty, ele carrega consigo um apanhado de sua trajetória, desde o primeiro ensaio autoral, “Caos Urbano”, até o mais recente trabalho, chamado “Cartas ao Mar”, que trata do tráfico negreiro no cais do Valongo, Rio de Janeiro.

16 de setembro (sexta-feira) às 17h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

A MUSA CURIOSIDADE,

GUEORGUI PINKHASSOV E ANA CAROLINA FERNANDES

POR MILTON GURAN

Fotógrafo russo residente em Paris desde a década de 1980, Gueorgui Pinkhassov avança movido pela constante reinvenção de si. Seu trabalho extravasa as fronteiras do sentido em direção a uma fotografia que seja pura sensibilidade, com uso extremamente apurado da luz e da cor, que por vezes atinge a abstração. Integrante da agência Magnum, ele vai apresentar imagens que ilustram seu lema: “Mesmo o estilo pode transformar o fotógrafo em um escravo se ele não fugir disto, pois estará condenado a repetir-se. A única coisa que conta é a curiosidade.” Divide a mesa com ele Ana Carolina Fernandes, jovem e talentosa fotojornalista brasileira com ensaios autorais de grande impacto.

GHEORGUI

PINKHASSOV

MILTON

GURAN

16 de setembro (sexta-feira) às 19h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

ANDAR COM FÉ

GUY VELOSO E JOSÉ BASSIT

POR MILTON GURAN

Encontro marcante de dois fotógrafos documentais que registram as manifestações religiosas populares, o transe e o rito da fé. José Bassit remonta sua trajetória desde o ensaio "Imagens Fiéis", realizado entre os anos de 1998 e 2003. O projeto evolveu o registro de festas e devoções, pagamentos de promessas e pedidos de benção, e teve papel fundamental no crescimento profissional do fotógrafo. Guy Veloso apresenta dois projetos. Em “Penitentes”, o resultado de 15 anos de estrada, passando pelas cinco regiões do Brasil, para registrar cultos religiosos diversos. Também apresenta imagens de “Transe”, série em andamento desde 2015, que expande a temática para além da religião. Imagens tocantes, muitas histórias e “causos” envolvendo as viagens fotográficas certamente virão à tona.

MILTON

GURAN

17 de setembro (sábado) às 10h30

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

RETRATOS DO MEU SUCESSO

PAULO FRIDMAN

POR JOAQUIM PAIVA

Com uma invejável trajetória na fotografia editorial, Paulo Fridman se dedica também a trabalhos autorais. Em Paraty, ele apresenta dois ensaios baseados na arte do retrato. A série “Retratos Falantes”, iniciada em 1999, sobrepõe a palavra escrita à imagem fotográfica, gerando obras de grande densidade, que trazem à tona sonhos, pensamentos, anseios e conflitos. A série “O Segredo do meu Sucesso” (2006-2015) apresenta trabalhadores brasileiros nas mais diversas atividades, inserindo-os no contexto de suas profissões. O lado músico de Paulo Fridman tem presença constante em sua fotografia e pode surpreender o público do PEF.

17 de setembro (sábado) às 15h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

O CORPO , PERCURSOS E PERCALÇOS

GAL OPPIDO POR JOAQUIM PAIVA

A história comportamental de parte da humanidade se escreve a partir dos confrontos com a matéria.

Os indícios gravados no corpo revelam a relação do homem como processador particular de significados e significações. A obra de Gal Oppido se inscreve na tradição do retrato, mas aponta para além das abordagens convencionais, que tomam o rosto como superfície privilegiada de expressão de uma subjetividade. Seus ensaios tomam o corpo, seus percursos e percalços, como campo de batalha em que se opera a construção de identidades e identificações. O fotógrafo vai tratar de sua leitura fotográfica do mundo e suas escolhas enquanto forma e conteúdo, sublinhando o passagem que se realiza uma vez que delimitamos um espaço tridimensional e o transferimos para um quadrilátero estático unissensorial, onde só a visão permanece.

17 de setembro (sábado) às 17h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

MESA FOTOGRAFE MELHOR 

FOTOGRAFIA E CINEMA, CONTRASTE SIMULTÂNEOS

COM WALTER CARVALHO POR SÉRGIO BRANCO

Fotógrafo, diretor de fotografia consagrado e cineasta, Walter Carvalho é dono de uma obra extremamente vasta e variada. Depois de participar da FLIP 2016, ele retorna a Paraty para falar especialmente de seus projetos fotográficos. A fotografia o acompanha desde o início de sua trajetória, é uma constante, criando relações de complementação e contraste com os trabalhos para cinema. Recentemente, ele reuniu parte importante de sua produção fotográfica no livro “Contrastes Simultâneos” (CosacNaify, 2014), cujo processo criativo estará na base de sua apresentação.

17 de setembro (sábado) às 19h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

ARQUEOLOGIA DO DIGITAL 

MILTON MONTENEGRO E LEVINDO CARNEIRO

POR PEDRO KARP VASQUEZ 

Com a tecnologia digital consolidada, torna-se possível olhar para trás e buscar uma arqueologia de suas transformações. Milton Montenegro e Levindo Carneiro não apenas vivenciaram a transição para o digital, como mergulharam de cabeça na tecnologia e com ela experimentam desde o final dos nos 80 até os dias hoje. Seus trabalhos atualmente apontam para além da fotografia, em direção à modelação 3D e realidade artificial. Por meio de seus trabalhos e também de fotografias de equipamentos e softwares utilizados neste percurso, os dois amigos de longa data pretendem traçar uma pequena história do digital.

18 de setembro (domingo) às 10h30

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

FOTOGRAFIA É COMUNIDADE 

RATÃO DINIZ E MARCUS VINI

POR ÉRICO ELIAS 

Uma conversa franca sobre a presença da fotografia em comunidades pobres e periféricas, sobre inclusão e autorrepresentação. Marcus Vini é um dos criadores da Semana da Fotografia de Madureira, evento fotográfico que visa levar a arte e a cultura ao subúrbio carioca. A iniciativa tem enorme importância por se juntar aos esforços de democratização da cultura fotográfica e responsabilidade social. A Semana também promove exposição coletiva de fotógrafos locais. Ratão Diniz, formado na Escola de Fotógrafos Populares da favela11 da Maré, Rio de Janeiro, apresenta um pouco de sua produção, também baseada em expressões culturais e artísticas populares das periferias brasileiras.

ÉRICO ELIAS

18 de setembro (domingo) às 15h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico

PARATY UMA FOTO POR DIA 

GABRIEL TOLEDO E CHRISTINA MASEDA

POR ÉRICO ELIAS

Bate-papo com os criadores da comunidade de Facebook “Paraty, uma Foto por Dia”, que tem feito enorme sucesso desde sua criação. Uma conversa sobre as potencialidades de fotografia digital e das redes sociais como ferramentas para a troca de olhares, discussão de técnicas e criação colaborativa.

ÉRICO ELIAS

18 de setembro (domingo) às 17h

local: CASA DA CULTURA 

Rua Dona Geralda, 157 - Centro Histórico